Minhas impressões: Viajar sem Dinheiro & Gafes Internacionais @naravidal

Eu tive a honra de receber este livro da autora... Nara Vidal e me encantar com a escrita desta autora brasileira que vive em Londres... há quase 10 anos... mineira como eu... e como vive na Europa... está sempre viajando e conhecendo novos lugares... trabalhou como Nanny (babá) quando chegou à Inglaterra... 






VIAJAR SEM DINHEIRO & GAFES INTERNACIONAIS A vida, na prática e não na teoria, nos leva a lugares onde jamais soubemos existir. A vida de viajante pela Europa era uma ideia sedutora. Até que, para tornar-se viajante, ela percebe que terá que conviver com famílias e suas crianças na Europa. Nara aborda através de contos e histórias curtas, várias situações engraçadas, curiosas e dramáticas, onde cada personagem se depara com desafios, foras e gafes, além de vários amores e emoções. Uma leitura leve e engraçada, recomendada para quem quer viajar ou para quem se interessa em conhecer o dia-a-dia das famílias europeias, particularmente as inglesas.



Compre aqui


Minhas impressões:

 Este delicioso livro conta 'peripécias' de brasileiras (fictícias) em suas aventuras como Nanny (babás) ou  em viagens por países europeus apenas se aventurando...o livro contém 32 contos ou estórias curtas... sempre com muito humor.

Em cada conto tem uma personagem, brasileira, se aventurando pela Europa... deixando pra trás o Brasil e suas dificuldades... brasileiras muitas vezes com curso superior... sem nenhuma experiência com crianças... mas que vão com a 'cara e coragem' viver em outro país... viver na casa de famílias inglesas, italianas... ou mesmo brasileiras... mas em outra cultura, outro clima...

Adorei: Flavinha, Lúcia, Ana, Antônia, Adriana, Joana, Marcela, Juliana, Sofia, Juju, Fernanda, Elenara, Mariana, Suzana, Amaralina, Ana Carla, Marcelena, Andreia,  Ifigênia, Irene (que não é baba é a mãe, escolhendo babá) e também da Silvinha, Cassandra, Silvana, Denise, Patrícia, Luana, Vanessa, Dulce, Elena, Julinha, Adriana, Rafaela e Cordélia... todas à procura da felicidade! Qual delas será Nara? Serão todas?

O livro vale a pena... pela forma como Nara Vidal apresenta a vida do imigrante brasileiro em outros países... de uma forma bem humorada... mostrando as dificuldades de ser imigrante... as dificuldades de ser babá... de viver  com uma família desconhecida e em um cultura diferente da brasileira.

E as aventuras, agruras e tudo o mais vivido por estas babás... só me fazem pensar: Ainda bem que não tive babá... cuidei eu mesma de minhas filhas...


Citações

"Para falar a verdade, não conheço uma babá que realmente AME o seu trabalho. Elas gostam, afeiçoam-se às crianças, dão-se bem (ou não) com os pais e vão assim vivendo dia após dia, como qualquer mortal." pag 24

"Há quem as diferencie muito rapidamente e sem erros. As mães têm um ar de sorriso ou de estresse, mas sempre ao extremo. Estão ou alegres e se vê, ou estão estressadas e se ouve. As babás empurram o carrinho das crianças sem poesia, sem balanço." pag 40
Como mãe, atualmente ando mais para estressada e todos ouvem... rsrs


"Apesar do choque com a sinceridade de Juliana, Adriana refletiu e sorriu sozinha ao se lembrar da conversa mais tarde. Ela mesma não tinha mais vida própria desde que Mateus havia nascido. Não ligava, gostava. Aliás,  amava dar seu tempo a ele. Mas imaginou a vida de Juliana, cheia de sacrifícios e intensidade em nome de alguém que talvez nem se lembre dela quando crescer. .... Tudo por dinheiro. Tudo para pagar a conta que não consegue, pois não tem tempo. Quem doa realmente é a Juliana. Adriana não faz mais que sua obrigação." pag 41


"Mendigos, lixo, sujeira, empurra-empurra, lanchinhos caros, trem e ônibus fedidos... Shakespeare... muitos ingleses torciam o nariz ao ouvir falar dele, como torcem vários brasileiros ao ouvir o nome José de Alencar. Será que somos, então todos iguais? pag 52

"História de pescador isso não foi. Para pescar um peixão, é necessário ter estratégia e paciência. Para quem nunca pescou antes, Ifigênia teve sorte de iniciante: pegou o maior peixe que havia." pag 81


"Não demorou muito e Cassandra começou a perceber que, apesar de manter a educação e as boas maneiras, as mães só cumprimentavam às outras mães e pais, e as nannies eram seres de terceira classe." pag 86

"O que Denise não tinha previsto era que, ganhando quatro vezes mais, seu trabalho era dez vezes mais pesado. A patroa nova e rica tinha quatro filhos e todos estressados e mal-educados. pag 96

"Dulce não poderia, no entanto, esquecer-se de que estava na Inglaterra e do ditado: 'quando em Roma, faça como os Romanos'. " pag 108


"A verdade era que ser babá era uma profissão muito solitária. Elena passava a maior parte do seu tempo em função de outra pessoa, que nem sempre gostava. Ela detestava criança, no fundo." pag 112

"A vida como babá era dura. A vida como mãe era dura. Mas lá no fundo, apesar da depressão pós-parto, Adriana estava feliz. Feliz por ser mãe, por não ter que  limpar fraldinhas alheias, por poder se mesclar com outras mães." pag 117

2 comentários :

Postar um comentário

Adoramos saber o que você está achando dos posts e do blog...

Se você conhece o livro, por favor... ao comentar não diga o que acontece... isso é spoiler!

Deixe seu nome e/ou twitter.