Minhas impressões: Lua de Sangue - Nora Roberts @editorabertrand

Meu primeiro Nora Roberts de 2012...




Só Nora Roberts para conseguir com todos os seus livros...  escrever todo tipo de livro... com romances (história de amor)... sempre com casais diferentes... de tipos diferentes... em cidades, países, e ser sempre inédita... mesmo que  às vezes, determinadas atitudes de alguns dos personagens se assemelhem com a de algum outro que você já tenha lido... cada um dos livros da DIVA... é completamente INÉDITO. 

Lua de Sangue (Carolina Moon, no original) é um dos livros que virou filme... e eu assisti ao filme e fiquei completamente enlouquecida por ler o livro... e (claro) minha mãe o tinha em sua 'pequena' biblioteca de Nora... Lua de Sangue é um Policial romântico... uma história emocionante... daquelas que não se consegue se separar do livro (mas tive que largá-lo, com muito sacrifício, para dormir e realizar meus muito afazeres).
Sinopse


Minhas impressões

Lua de Sangue é passado na Carolina do Norte (Progress) uma cidadezinha... onde há 18 anos ocorreu um crime horrível... que traumatizou toda a cidade e Victoria Bodeen, Tory, que era a melhor amiga de Hope Lavelle, a menina assassinada brutalmente em uma noite de lua cheia, junto ao pântano... Hope e Tory eram inseparáveis... e iriam se encontrar para mais uma de suas aventuras... mas Tory não pode ir... seu pai a espancou (mais uma vez) mas Tory é uma 'sensitiva'... psiquica... e viu, sentiu o assassinato de sua melhor amiga... e foi ela que foi avisar à família... o irmão (Kincade) e o pai, chamaram a polícia e ela os guiou ao pântano onde encontraram Hope...

Depois disso Tory e a família (seu pai e mãe... dois seres 'abomináveis') saíram da cidade... e a Sra. Lavelle e a irmã gêmea de Hope, Faith... sempre culparam Tory pela morte de Hope... todos achavam que elas estavam juntas e Tory abandonou Hope... a morte de Hope deixou marcas profundas em Tory... e na família Lavalle... o pai se afastou da esposa e dos outros filhos, Cade e Faith... passados 18 anos... Tory volta para a cidade a fim de se estabelecer e tentar encontrar o assassino da amiga... ela continua tendo visões tanto com a morte de Hope quanto com outras mortes, que podem ter relação com Hope... mas por ser sensitiva sofreu muito na vida...

Tory tem uma família, sem ser os pais, a avó... o tio e esposa... e um primo Wade... que a amam e apoiam... têm muito carinho por ela... e se sentem muito culpados por não terem feito nada para tirá-la dos pais, a avó não mora em Progress, mas os tios e primo sim... além da família... ela acaba se reencontrando com Kincaid Lavelle,Cade, irmão de Hope... que a recebe super bem... todos os imóveis que Tory aluga na cidade (a loja e a casa) são da família Lavelle... que é a família mais próspera da região... e Cade, apesar da mãe ser contrária a qualquer tipo de relacionamento da família Lavelle com Tory, não só se torna amigo de Tory como eles acabam se apaixonando e vivem uma linda história de amor…

Além de Cade... Tory acaba se tornando amiga de Faith... o que para ambas acaba sendo uma grande surpresa... pois elas não se davam bem, principalmente por ressentimento de Faith pela relação de Hope com Tory...

As histórias paralelas como a relação de Wade e Faith e outras menores como as do prefeito Dwight e sua mulher fofoqueira, a da avó de Tory, a da ajudante de Wade... e mais... são tão deliciosas quanto a história de Tory e Cade... e a trama policial é muito bem tramada e com um final completamente surpreendente... e como eu disse acima... só Nora Roberts - a DIVA mor - consegue escrever tão bem e sempre de forma emocionante e surpreendente... ela casa suspense, aventura, amor, sexo... de uma forma magnifíca... por isso é tão fácil se tornar Noraholic...


Citações

"Embora o luar clareasse tudo, ela pegou a lanterna. A risonha Princesa Leia no mostrador do relógio indicou que chegara quinze minutos mais cedo. Sem medo, sem pensar, Hope seguiu pelo caminho estreito que levava ao pântano. Para o final do verão. Da infância. E da vida." pag 13


"Sua melhor amiga, a irmã de seu coração, morrera naquela noite no pântano, enquanto ela se encontrava trancada em seu quarto, soluçando depois da última surra. E soubera de tudo, vira tudo, sem poder fazer nada." pag 16


"Ela era a minha melhor amiga. Nossa relação tinha a intensidade profunda e imediata que só as crianças são capazes de produzir. Formávamos uma dupla estranha: a loura e privilegiada Hope Lavelle e a morena e tímida Tory Bodeen. (...) Com Hope, escapava dos tormentos e tumultos de minha casa, de minha vida, e me tornava sua parceira. Éramos espiãs, detetives, amazonas em busca da verdade, piratas ou saqueadoras do espaço. Éramos corajosas e honestas, intrépidas e impetuosas." pag 17

"As pessoas viam fragilidade, ouviam em seu gentil sotaque sulista e nunca percebiam o aço que havia lá dentro; aço forjado pelos golpes incontáveis de um cinto de couro." pag 25


"Ela não bateu. Nunca precisara bater naquela porta, porque sabia que sempre se abriria para acolhê-la. Houve ocasiões em que isso fora a única coisa que a impedira de desmoronar. Ficou surpresa por encontrar a casa em silêncio. Eram quase dez horas, ela notou ao entrar. Esperava encontrar a avó no jardim ou trabalhando dentro de casa." pag 35

"Os olhos, pensou Tory. Poderia ter situado os olhos. Exibindo o azul profundo do verão, como os de Hope. O sol deixara suas marcas também naqueles olhos, com linhas tênues gravadas nos cantos. O tipo de rugas que pareciam proporcionar caráter aos homens e levavam as mulheres ao desespero, imaginou ela." pag 60

"Tory abriu a boca, atordoada, enquanto ele passava pela porta. Cade havia mesmo feito uma piada sobre seu dom? As pessoas zombavam dela ou reviravam os olhos. Ou tratavam de se afastar, cautelosas. Algumas suplicavam para que resolvessem todos os seus problemas e infelicidades. Mas ninguém, em sua experiência, havia feito uma simples brincadeira." pag 109

"- Um passo de cada vez, Tory - murmurou ele. - Sou um homem paciente. Se olhar ao redor prestando toda a atenção, poderá observar como sou paciente. Levei três anos para levar a plantação até o ponto em que a queria. ... Tudo porque não aceitei a maneira como a maioria se sente segura e compreende as coisas. E geralmente o que as pessoas não compreendem as assusta." pag 158

"- Um homem manda flores para uma mulher, as flores certas... só pode ser porque está pensando na mulher. Não é mesmo Cecil? - É o que me parece. Plantas indicam que um homem é atencioso. Flores indicam romance." pag 257

"No mesmo instante em que as mãos de Tory ficaram inertes, ele as pegou. Seu coração batia forte, pressionado pelo sangue correndo depressa pelas veias. Com a derradeira claridade do dia, a brisa noturna roçou pelo rosto de Tory, num sussurro. Os cabelos emaranhados derramavam-se pelos travesseiros, as faces totalmente coradas. Cade haveria de se lembrar daquele momento para sempre. E faria com que ela também se lembrasse, prometeu a si mesmo." pag 280

"Já fazia muito tempo que ela desejava ter uma companhia. Alguém com quem pudesse partilhar o dia, conversar sobre coisas irrelevantes, encontrar motivos para rir, queixar-se. Ter alguém ao seu lado quando a noite parecesse repleta de sons, movimentos e lembranças. E o que ela daria em troca? Resistência, argumentos, irritação, uma aceitação tácita. - Uma chata insuportável - murmurou ela, ao saltar do carro." pag 327


"- Em toda a minha vida, nunca tive outra amiga como Hope. Não sei se pessoas adultas costumam ter amizades como na infância. Mas bem que estou precisando de uma amiga. Aturdida, Faith fitou-a nos olhos. - Não sei se eu seria uma boa amiga. - Sei que eu não fui, desde Hope. Portanto, começamos no mesmo plano. Acho que estou apaixonada por seu irmão. - Tory soltou um suspiro longo e trêmulo. Sacudiu a mão, para mantê-la ocupada. - Se concluir que estou, creio que seria ótimo para todos se você e eu pudéssemos ser amigas. - Sei que amo meu irmão, embora ele seja um chato. A vida tem as reviravoltas mais inesperadas." pag 413


"Cade puxou-a para seus braços. O sol tremeluzia nos raios inclinados, o musgo pingava como chuva. E flores, flores de cores brilhantes, flutuavam em silêncio pelo rio abaixo." pag 545



Sobre o filme

Eu adorei o filme... não fizeram grandes alterações no livro... o básico estava lá... o essencial... faltou a avó de Tory... que tem uma relação tão linda com ela... mas os outros relacionamentos estavam lá... Tory e Cade... Tory e Faith... Tory e a mãe Lavelle (nojenta)... Faith e Wade... e tudo o mais... com pequenas alterações...

Vale a pena...










 

1 comentários :

Postar um comentário

Adoramos saber o que você está achando dos posts e do blog...

Se você conhece o livro, por favor... ao comentar não diga o que acontece... isso é spoiler!

Deixe seu nome e/ou twitter.