Uma Noite Mais que Louca



Título Original: Take Me Home Tonight
Diretor: Michael Dowse
Gênero: Comédia
Ano: 2011

É o final dos anos de 1980, quando Wall Street cresce a galopes, e os EUA nadam em dinheiro com os lucros dos investimentos. Mas Matt Franklin (Topher Grace) não está satisfeito com nada disso. Ao contrário, este jovem e brilhante formando do MIT ignora completamente o materialismo que o cerca e decide trilhar um caminho inverso daquele que poderia lhe garantir altos salários. Matt arruma um emprego como balconista de uma locadora de filmes para a infelicidade e decepção de seu pai, Bill Frankilin (Michael Biehn).



Mas as preocupações na vida de Matt são bem diferentes: ele se importa mesmo com o melhor amigo Barry (Dan Fogler), que acaba de ser demitido do emprego; com a esperta irmã Wendy (Anna Faris), que vai se casar com o insípido namorado Kyle (Chris Pratt); e, sobretudo com a bela Tori Frederking (Teresa Palmer), objeto de adoração nunca recompensado, desde os tempos de escola, e que agora reapareceu na vida do jovem. Num único final de semana, Matt tentará resolver todas essas questões, mas cujos resultados poderão ser explosivos.

Fonte

***

Matt é um jovem que ainda não decidiu o que fazer da vida (para desespero de seu pai que o pressiona a todo instante), com um diploma guardado na gaveta ele trabalha numa locadora de vídeos, convive com a irmã gêmea inteligente (que namora um otário) e com o melhor amigo fracassado (que foi demitido do emprego).

Um dia ele reencontra sua paixão do colégio e mente ser bem sucedido para ver se tem alguma chance com ela e um simples convite para uma festa transforma sua vida.


Sua noite é realmente mais que louca já que Matt participa de um roubo de carro, finge ser alguém que não é, tem uma oportunidade única de ficar com a garota da sua vida e ainda de quebra ser respeitado por todos que o achavam um idiota.

***

Esse filme segue a receita perfeita das comédias (pervertidas) românticas. Tem o cara que sempre foi um idiota, seu melhor amigo sem noção e a garota popular por quem ele sempre foi apaixonado.

E seguindo a tendência atual essa produção faz mais o estilo comédia (com tiradas bem clichês e cenas eróticas de pouco bom gosto, mas hilárias) do que romântica.

O roteiro é divertido, mas não traz nada novo. Mas um detalhe que gostei muito foi ele ser ambientado nos anos 80, o figurino é ótimo e a trilha sonora é da melhor qualidade.


O elenco é composto por uma galera de peso que se encaixou muito bem. Temos Topher Grace (The 70's Show) com sua cara de coitado que cativa o público, Anna Faris (Todo Mundo em Pânico) com um dos papéis mais maduros que ela já fez em comédias e Teresa Palmer (Eu sou o Número 4) que dá brilho à garota bonita, mas inteligente.

Apesar de se tratar de um longa simples, sem muitos atrativos, eu recomendo que assistam já que a comédia é boa e diverte, fora que o conteúdo moral do enredo, apesar de sutil, é bem interessante.